segunda-feira, 21 de maio de 2018

SP libera R$ 21 mi para infraestrutura e obra de acesso do Rodoanel Leste | Ferraz, Suzano, Poá e região

Governador assinou autorização para retomada do projeto de implantação da alça de acesso da Rodovia Henrique Eroles (SP-66) ao Trecho Leste do Rodoanel Mario Covas (SP-21) Oito municípios receberão R$ 21,2 milhões para obras de infraestrutura urbana
Estima-se que as obras devem ser executadas em 12 meses com estimativa de investimento de R$ 65 milhões


A obra também promove a ligação de municípios da região metropolitana de São Paulo com as cidades do Alto Tietê

Sobre os convênios, França salientou que “São Paulo tem as contas equilibradas, o que permite a manutenção dos investimentos” “Faremos primeiro o que é mais barato, porque é mais fácil. A ideia da alça pela Rodovia dos Fernandes não está descartada, mas por importante é termos o quanto antes acesso ao Rodoanel”, afirmou o governador. O acesso na SP-66 beneficiará diretamente os municípios de Suzano, Poá, Itaquaquecetuba e Mogi das Cruzes

Região do Alto Tietê, o “Cinturão Verde” do Estado, têm população de mais de 1,5 milhão de habitantes
O governador Márcio França assinou nesta quinta-feira (17) autorização para retomada do projeto de implantação da alça de acesso da Rodovia Henrique Eroles (SP-66) ao Trecho Leste do Rodoanel Mario Covas (SP-21), na divisa dos municípios de Suzano e Poá.

A SP-66, antiga Estrada Velha São Paulo-Rio, é a principal via de acesso na ligação entre as 10 cidades da região do Alto Tietê, o “Cinturão Verde” do Estado, com população de mais de 1,5 milhão de habitantes. Oito municípios receberão R$ 21,2 milhões para obras de infraestrutura urbana que serão definidas pelas prefeituras.
Com o autorizo do governo, a Artesp vai adotar as medidas junto à concessionária SPMar, que opera os trechos Sul e Leste do Rodoanel, para revisar e atualizar o projeto originalmente proposto em 2011, pois atualmente o local apresenta novas condições, inclusive de urbanização.
“Faremos primeiro o que é mais barato, porque é mais fácil. A ideia da alça pela Rodovia dos Fernandes não está descartada, mas por importante é termos o quanto antes acesso ao Rodoanel”, afirmou o governador sobre a retomada do projeto inicial.
Feitas as adequações necessárias, a concessionária poderá seguir com as aprovações dos projetos funcionais e executivos, verificando as desapropriações que serão incluídas, inclusive a revisão do licenciamento ambiental conforme necessário.
A previsão é que esses trâmites sejam superados até o segundo semestre de 2019. Estima-se que as obras devem ser executadas em 12 meses com estimativa de investimento de R$ 65 milhões.
O acesso à SP-66 consta no contrato original da concessionária, porém havia um pedido das próprias prefeituras para o Governo do Estado mudar o acesso para a Estrada dos Fernandes.
A solicitação de retomada do projeto original de implantação da alça na Henrique Eroles foi feita pelos prefeitos que compõem o Consórcio do Desenvolvimento dos Municípios do Alto Tietê, pois entendem que é a melhor solução para o momento atual, que agora está sendo autorizada pelo governador.
O acesso na SP-66 beneficiará diretamente os municípios de Suzano, Poá, Itaquaquecetuba e Mogi das Cruzes, atraindo mais empresas para a região e criando novos postos de trabalho diretos e indiretos.
A obra também promove a ligação de municípios da região metropolitana de São Paulo com as cidades do Alto Tietê, facilitando o tráfego de veículos nessa ligação e impulsionando o desenvolvimento regional.
Convênios para obras de infraestrutura
O governador Márcio França também assinou, em Suzano, autorizo para celebração de oito convênios que, juntos, somam R$ 21,2 milhões. Serão destinados recursos às cidades de Arujá, Ferraz de Vasconcelos, Guararema, Itaquaquecetuba, Poá, Salesópolis, Santa Isabel e Suzano.
“Fui muito bem recebido na região”, destacou o governador. Sobre os convênios, salientou que “São Paulo tem as contas equilibradas, o que permite a manutenção dos investimentos”.
Veja o valor para cada convênio:
MUNICÍPIO
OBJETO
 VALOR
Arujá
Obras de infraestrutura urbana
 R$ 2.000.000,00
Ferraz de Vasconcelos
Obras de infraestrutura urbana
 R$ 4.000.000,00
Guararema
Obras de infraestrutura urbana
 R$ 600.000,00
Itaquaquecetuba
Obras de infraestrutura urbana
 R$ 4.000.000,00
Poá
Obras de infraestrutura urbana
 R$ 4.000.000,00
Salesópolis
Obras de infraestrutura urbana
 R$ 600.000,00
Santa Isabel
Obras de infraestrutura urbana
 R$ 2.000.000,00
Suzano
Obras de infraestrutura urbana
 R$ 4.000.000,00
 R$ 21.200.000,00

domingo, 20 de maio de 2018

Não é esse Brasil que eu quero, a banana está comendo o macaco.

Viaturas e prédios da polícia em SP são vandalizados durante a Virada Cultural

Carro e dois prédios da Polícia Civil foram depredados na madrugada deste domingo (20) em três locais do Centro; dois suspeitos foram presos.

Uma viatura e dois prédios da Polícia Civil de São Paulo foram vandalizados na madrugada deste domingo (20) em três locais do Centro de São Paulo durante a Virada Cultural 2018. Segundo a assessoria de imprensa da Secretaria da Segurança Pública (SSP), dois suspeitos foram detidos.
De acordo com informações da SSP, uma viatura do Departamento de Polícia de Proteção à Cidadania (DPPC) foi pichada na Avenida São João por volta das 3h.
Ainda de acordo com a assessoria, o prédio do Instituto de Identificação Ricardo Gumbleton Daunt (IIRGD), na Avenida Cásper Líbero, foi pichado na madrugada.
E o prédio do Palácio da Polícia Civil, na Rua Brigadeiro Tobias, teve um vidro da porta quebrado depois das 6h, de acordo com a secretaria.

Suspeitos presos

Segundo o boletim de ocorrência registrado no 2º Distrito Policial (DP), no Bom Retiro, o estudante João Victor Coutinho Encarnação Fraguas, de 19 anos, foi preso por suspeita de pichar a fachada do IIRGD. Ele foi responsabilizado por pichação, dano ao patrimonio, resistência e desobediência. Segundo a polícia, o suspeito carregava três gizes coloridos.
O segundo preso em flagrante foi outro estudante. Victor Hugo Santos do Vale, de 22 anos, foi acusado de quebrar o vidro do prédio do Palácio da Polícia.
Nos dois casos, os policiais que estavam nos locais fizeram as prisões. Os detidos foram levados à delegacia, e, de acordo com informações do policial de plantão, eles seriam encaminhados para audiência de custódia na Justiça, que poderá determinar o pagamento de fiança para que os suspeitos respondam em liberdade.

Viatura danificada

Sobre o carro do DPPC pichado, ainda não há autoria conhecida. Um vídeo que mostra a viatura sendo pisoteada circula em grupos do WhatsApp. A confirmação de que é a viatura da Polícia Civil foi feita pela comparação do número do prefixo do carro das imagens, que é o mesmo que está no boletim de ocorrência do caso.
Ainda de acordo com a corporação, somente duas ocorrências envolvendo roubo ocorreram durante o evento, no balanço parcial divulgado pela PM. Segundo a polícia, dois suspeitos de praticar roubos na esquina das avenidas Prestes Maia e São Luís foram detidos e encaminhados para uma delegacia.

Governo publica no Diário Oficial decreto que autoriza o emprego das Forças Armadas nos presídios


O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso das atribuições que lhe confere o art. 84, caput, incisos IV e XIII, da Constituição, e tendo em vista o disposto no art. 15 da Lei Complementar nº 97, de
9 de junho de 1999,
D E C R E T A :
Art. 1º Fica autorizado o emprego das Forças Armadas para a Garantia da Lei e da Ordem, nos termos deste Decreto.
Art. 2º As Forças Armadas executarão essa atividade nas dependências de todos os estabelecimentos prisionais brasileiros para a detecção de armas, aparelhos de telefonia móvel, drogas e outros materiais ilícitos ou proibidos.
§ 1º O emprego das Forças Armadas, nos termos do caput, observado o princípio federativo, dependerá de anuência do Governador do Estado ou do Distrito Federal e será realizado em articulação com as forças de segurança pública competentes e com o apoio de agentes penitenciários do Departamento Penitenciário Nacional do Ministério da Justiça e Cidadania.
§ 2º O Ministro de Estado da Defesa editará normas complementares para dispor sobre o emprego das Forças Armadas a que se refere este Decreto.
Art. 3º A autorização a que se refere o caput do art. 2º fica concedida pelo prazo de doze meses.
Art. 4º Este Decreto entra em vigor na data de sua publicação.
Brasília, 17 de janeiro de 2017; 196º da Independência e 129º da República.

sábado, 19 de maio de 2018

Os militares de olho na disputa eleitoral de 2018

FORA DOS QUARTÉIS | Nos círculos e associações de militares da reserva das Forças Armadas, cresce o número de pré-candidatos a todos os cargos, em 23 estados do País

As eleições de 2018 serão palco de um movimento inédito desde a redemocratização do País: a candidatura expressiva de militares da reserva das Forças Armadas. Após período de reclusão aos quartéis depois do fim da ditadura, eles agora investem na carreira político-partidária aproveitando-se de clima favorável às suas pautas “patriotas”.

Estima-se que mais de 50 militares devem disputar as eleições, para todos os cargos em quase todos os estados (vide quadro na página 13). O número expressivo é resultado de articulação comandada pelo general Roberto Peternelli, que tem trabalhado para formar uma bancada forte no Congresso Nacional para a defesa dos interesses da categoria. 
Peternelli ficou conhecido após o presidente Michel Temer (MDB) cogitar seu nome para presidir a Fundação Nacional do Índio (Funai) em 2016, mas descartar após repercussão negativa. Ele se candidatou mais de uma vez para a Câmara dos Deputados pelo estado de São Paulo e hoje é ponto-chave para entender a movimentação que ganha força nos círculos e associações de militares da reserva em todo o Brasil.
As candidaturas divulgadas ainda não estão consolidadas. Até agora, há um pré-candidato à presidência da República, cinco ao governo estadual, dois ao Senado e o restante para a Câmara Federal, Assembleias Legislativas e Câmara Distrital.  
O movimento chegou ao Ceará com a indicação do general Guilherme Theophilo como a aposta da oposição para enfrentar o governador Camilo Santana (PT). Em entrevista ao O POVO, o militar diz que o general Peternelli é um “amigo muito grande” seu e revela que essa articulação é antiga, embora ainda discreta.

segunda-feira, 14 de maio de 2018

Brasil vai pedir acesso a documentos da CIA sobre ditadura militar

Ministério das Relações Exteriores vai pedir ao governo dos Estados Unidos a liberação dos documentos produzidos pela CIA sobre a ditadura militar no Brasil. O ministro das Relações Exteriores, Aloysio Nunes (PSDB), instruiu a embaixada brasileira em Washington, nos EUA, a solicitar a liberação completa dos registros sobre esse tema.
A medida é em resposta à solicitação do Instituto Vladimir Herzog, que enviou uma carta na última sexta-feira (11) ao Itamaraty pedindo que o governo federal a liberação dos documentos que registram a participação de agentes do Estado brasileiro em ações de tortura ou assassinato de opositores do regime.
A carta é assinada por Ivo Herzog, filho do jornalista Vladimir Herzog, morto durante a ditadura. Na época, o Exército divulgou a versão de que o jornalista teria cometido suicídio na prisão.
Documentos que vieram a público, na semana passada, mostram novos fatos sobre a participação do Estado na execução e tortura de opositores da ditadura. De acordo com registros da CIA, os generais Ernesto Geisel, presidente do Brasil à época, e João Figueiredo, então diretor do Serviço Nacional de Informações (SNI), e que assumiu a Presidência da República depois de Geisel, sabiam e concordaram com execução sumária de “inimigos” da ditadura militar no Brasil.
Também participaram da reunião em que Geisel foi informado da política de execução, os generais Milton Tavares de Souza, então comandante do Centro de Inteligência do Exército (CIE) e seu sucessor, Confúcio Avelino.
Datado de 11 de abril de 1974, o documento, assinado pelo então diretor da CIA, Willian Colby, e endereçado ao então secretário de Estado dos EUA, Henry Kissinger, diz que Geisel foi informado, logo após assumir a Presidência da morte de 104 pessoas opositoras da ditadura no ano anterior.
O informe relata ainda que após ser informado, Geisel manteve a autorização para execuções sumárias, adotada durante o governo do presidente Emílio Garrastazu Médici (1969-1974). Geisel teria feito a ressalva de que os assassinatos só ocorressem em “casos excepcionais” e envolvendo “subversivos perigosos”.
“O senhor, assim como nossa família, sabe o que foi o terror e a violência promovida pela Ditadura Brasileira. Uma nação precisa conhecer a sua história oficialmente para ter políticas públicas que previnam que os erros do passado se repitam”, diz a carta assinada pelo filho de Herzog e dirigida ao ministro Aloysio Nunes.

domingo, 6 de maio de 2018

Presos vão lançar parentes ou aliados nas eleições


RIO - Presos preventivamente desde novembro do ano passado, os deputados estaduais do Rio Jorge Picciani — presidente afastado da Assembleia Legislativa (Alerj) —, Edson Albertassi e Paulo Melo, todos do PMDB, vão tentar manter parte do poder que tinham lançando integrantes de seu grupo político e familiares para concorrer nas eleições. Esse também é o caso do ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha (PMDB-RJ), preso no Complexo Médico Penal, em Curitiba, desde 2016.
Filha de Cunha, a publicitária Danielle é pré-candidata a deputada federal pelo Rio. Esta é a primeira vez que ela disputará um mandato eletivo. Quando o pai comandava a Câmara, Danielle aproveitava o livre acesso que tinha ao plenário e aos gabinetes dos deputados para captar clientes. Ela oferecia trabalho de assessoria, divulgação de mandatos e marketing político. Na época, a filha de Cunha conquistou as contas de, pelo menos, três deputados aliados do pai, que a pagavam com a cota parlamentar a que tem direito.


Já Jorge Picciani escolheu como seu substituto na Alerj o ex-prefeito de Queimados Max Lemos, que pretende concorrer para deputado estadual. Atual líder do PMDB na Assembleia, Rafael, filho de Picciani, não disputará a reeleição. Ele vai se dedicar aos negócios da família, já que seu irmão, Felipe, que tinha essa tarefa, está preso. O outro irmão, Leonardo, tentará a reeleição para deputado federal.
A ideia inicial era que Lemos concorresse para deputado federal, e não estadual, mas a prisão de Jorge Picciani provocou a mudança de planos.

— É uma forma de tentar reorganizar a nossa bancada na Assembleia, dar um volume maior para ela de novo — afirmou o ex-prefeito de Queimados, que é cotado para suceder a Jorge Picciani na presidência estadual do PMDB do Rio.
Apesar dos problemas enfrentados pelo partido no estado, a expectativa de Lemos é fazer a maior bancada da Alerj, elegendo de oito a dez representantes. Ele é o responsável por organizar a lista de candidatos a deputado estadual do PMDB.
Na janela para a troca de partido, encerrada no início deste mês, o PMDB foi o que mais perdeu deputados na Assembleia. Foram cinco baixas e uma filiação. Assim, na prática, a bancada peemedebista, formalmente com 11 integrantes, deixou de ser a maior da Casa, já que três (Jorge Picciani, Paulo Melo e Albertassi) estão afastados do mandato. O PMDB acabou ficando do mesmo tamanho do que o PDT, com oito deputados.



— No meu caso específico, independentemente de ser do PMDB, de já ter feito campanha ao lado do (Jorge) Picciani, eu tenho uma história, tenho uma trajetória: fui vereador, presidente da Câmara, prefeito duas vezes.O ex-prefeito de Queimados tentou minimizar o desgaste do partido na eleição:

Além de ter suas principais lideranças presas, como o ex-governador Sérgio Cabral, o PMDB ainda arca com a falência do estado, que culminou com o atraso de salários e aposentadorias, além da intervenção federal na Segurança Pública.

MULHER DE PAULO MELO
Entre os que pretendem tentar uma vaga na Alerj pelo PMDB está a mulher de Paulo Melo, Franciane Motta, ex-prefeita de Saquarema, na Região dos Lagos. Ela já está em ritmo de pré-campanha. No último dia 22, por exemplo, Franciane compareceu a duas feijoadas. “Hora de comer mais um pouquinho”, escreveu ela em uma rede social.
Já Albertassi deve ter dois integrantes de seu grupo político na disputa para a Câmara dos Deputados: América Tereza, ex-presidente da Fundação para a Infância e Adolescência (FIA), e Jackson Emerick, subdiretor da TV Alerj. América já disputou o cargo na última eleição e ficou como suplente.


Fonte: MSN